Conexão Euclidense

quarta-feira, 13 de maio de 2020
O Cabra forte do sertão descansa em paz O Cabra forte do sertão descansa em paz Conheci João Costa Soares, o Paulistinha, há pouco mais de dez anos e iniciamos nossa aproximação há sete, quando escrevi essa matéria. De lá para cá, nos tornamos mais que amigos; quase irmãos! Perdemos na tarde desta quarta-feira, dia 13/05/2020, esse ser singular, com o qual convivi quase uma década de boas conversas e afinidades. Como irmãos, algumas vezes o aconselhava, assim como o mais velho faz com o mais novo. Mas na grande maioria das vezes, ele, embora cronologicamente, um ano mais novo do que eu, me deu aulas de sabedoria, humanidade e, principalmente de honestidade, com ele mesmo e com os outros. Guerreiro aguerrido e valente, enfrentou com dignidade a doença que o consumiu nos últimos dois anos. Do que escrevi sobre ele há sete, acrescentaria virtudes que só quem conviveu de perto com ele, conhece. Descansa em paz amigo, guerreiro, ousado. Você já é eterno no coração de todos nós! MATÉRIA ORIGINALMENTE PRODUZIDA EM 20 DE MARÇO DE 2013. ***Cabra forte do sertão ***Ele tinha apenas 12 anos quando recebeu uma reprimenda do pai, após ter sido denunciado pela família de uma vizinha que se sentira ofendida ao saber que o menino João não se cansava de admirar as belas formas da filha que costumava banhar-se no pequeno açude da fazenda Lajinha a cerca de dez quilômetros da cidade de Monte Santo. Aborrecido com a severidade do pai, João juntou-se a um comerciante ambulante e foi tanger mulas entre a Bahia e Sergipe. Conheça uma singular história de vida.
sábado, 2 de novembro de 2019
Euclides da Cunha terra de ilustres Euclides da Cunha terra de ilustres Finados, um dia para reflexões, viajei no tempo trazendo à memória, pessoas e fatos que me acompanharão eternamente. Mãe, pai, o querido irmão Humberto, que partiu aos 23 anos e meu tio, quase um pai, José Mathias de Almeida Neto, meu referencial, meu amigo meu ídolo, ao ponto de ter, aos 14 anos, fugido de casa e de carona em caminhões, desembarcando em Vitória para encontrar o “Zequinha”- era assim que eu o chamava- àquela altura, já promotor de Justiça em uma comarca do interior do Espírito Santo.
domingo, 15 de setembro de 2019
Joaquim Matias o eterno delegado Joaquim Matias o eterno delegado Estudioso das origens de centenas de famílias da região de Euclides da Cunha, meu amigo de infância e colega de traquinagens no final dos anos 60 e início dois anos 70 em Salvador, quando dividimos por uma dezena de vezes, quartos de pensão ou quitinetes no centro da cidade, hoje, auditor fiscal aposentado e um apaixonado pela leitura, dono de um biblioteca pessoal que ultrapassa os 20 mil volumes, José Dionísio Nóbrega, que nós tratávamos carinhosamente de Nizinho, me visitou na semana passada e trouxe essa pérola de texto que fala do meu saudoso avô, Joaquim Matias. Saiba quem foi esse grande homem!
segunda-feira, 5 de agosto de 2019
A voz de Euclides calou A voz de Euclides calou No início dos anos 60, fomos morar na Rua Oliveira Brito, em uma casa que meu pai alugara de um senhor de nome Abdon. Na casa ao lado, onde ainda reside a Perpetua, morava a família Pinheiro, cujo patriarca, José Lourenço, era sobrinho neto da minha avó materna, Chica Pinheiro. Zé Dílson, na mesma faixa de idade que eu, foi meu grande companheiro de traquinagens da infância. Após quarenta anos mundo afora, há dez, voltei a viver em Euclides da Cunha, onde encontrei meu amigo Zé Dílson atuando no mesmo ramo que eu, fazendo a crônica diária da cidade e com enorme identidade comigo. Para ele que nos deixou ontem escrevi em 14 de março de 2009, o texto que agora reproduzo com imensa tristeza:A voz de Euclides
quinta-feira, 30 de maio de 2019
Gentileza gera gentileza ou a Euclides da Cunha que nós perdemos! Gentileza gera gentileza ou a Euclides da Cunha que nós perdemos! Houve um tempo que era como se fôssemos irmãos. Brigávamos como irmãos, nos amávamos como irmãos; éramos irmãos! Era assim essa cidade que hoje se espalha do Pau Miúdo, passando pelo Corte Grande e se estendendo até o Jegue Morto, localidades que à época, eram só mato, eram distantes. Naquela época, as autoridades tinham autoridade, amizades valiam mais que o dinheiro e valentia era documento de honradez. Os tempos são outros os modos são outros, as relações são outras. Quem não viveu esse tempo; perdeu!
terça-feira, 1 de janeiro de 2019
Mariá Matias: a fibra de uma mulher à frente do seu tempo Mariá Matias: a fibra de uma mulher à frente do seu tempo As minhas lembranças são esparsas, porém ricas. Lembro o casarão da Rua de Cima onde ela, meus tios e alguns dos meus irmãos nasceram. Lembro-me do fogão de lenha na cozinha que ficava separada do corpo da casa e em volta do qual nos sentávamos para comer “capitão”, nada mais que bolinhos de feijão com farinha e carne seca desfiada que manipulávamos e mergulhávamos no molho de pimenta malagueta sob risos e prazeroso ardor. Minha mãe Mariá, quanta falta você faz a todos os seus filhos!MATÉRIA PUBLICADA ORIGINALMENTE EM 01/01/2015 QUANDO ELA FARIA 89 ANOS.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 ... 25


Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.