Conexão Euclidense

segunda-feira, 17 de julho de 2017
Zorildo Zorildo Era assim o Zorildo, além da hospitalidade natural e do prazer de encontrar um conterrâneo em lugar tão frio e distante, corria em nossas veias o mesmo sangue. Minha bisavó materna, Chica Pinheiro, era tia de Zé Lourenço, músico, carpinteiro e homem de bom gosto, seu pai. O mesmo bom gosto que conduziu Zorildo ao vestibular de direito na USP, Universidade de São Paulo, tradicional escola que formou os mais brilhantes advogados do país.
sábado, 17 de junho de 2017
Lembra do Bastinho? Lembra do Bastinho? PARA UMA CIDADE SEM MEMÓRIA, NADA COMO REEDITAR A MATÉRIA DE 25/10/2010-o "Bastinho," foi o mais brilhante cidadão euclidense de sua era! - Ele nasceu na Rua da Igreja ao lado da casa de Antonio André. Filho do comerciante Nesinho de Hermógenes e da costureira Edite Alves, Sebastião Alves Ferreira Santos teve uma carreira meteórica. Concluiu o curso ginasial no Educandário Oliveira Brito, o curso de Administração de Empresas na Fundação Getúlio Vargas e o doutorado em finanças na Universidade do Texas. Conheça um pouco da trajetória desse euclidense brilhante.
quarta-feira, 31 de maio de 2017
Nada será como antes no trânsito de Euclides da Cunha Nada será como antes no trânsito de Euclides da Cunha Muitos gestores públicos de cidades do interior, prefeitos e vereadores, não se preocupam com o trânsito; acham que isso é um problema das grandes cidades. Não é verdade. As cidades médias e pequenas começam a sofrer seriamente com o aumento do número de veículos e em pouco tempo poderão enfrentar problemas sérios de trânsito e como consequência estresse, acidentes e mortes.
segunda-feira, 1 de maio de 2017
A Lei do Silêncio e a lei da irracionalidade A Lei do Silêncio e a lei da irracionalidade Pois, foi no final dessa rua, manancial de saudades, que instalou o tal esquenta de São João. Chovia torrencialmente, mesmo assim, os idosos (atenção senhores políticos, idosos ainda podem votar e votam) e outras pessoas civilizadas, ficaram sem poder dormir, até as duas da madrugada, quando algum evento, encerrou aquela balburdia, falta de respeito, de educação, de urbanidade e de bom senso.
quarta-feira, 1 de março de 2017
Um homem que nunca será esquecido Um homem que nunca será esquecido Este texto foi produzido há exatos dezesseis anos na data de falecimento de meu pai Jaime Amorim e publicado à época na edição impressa da Revista VidaBrasil. No momento em que ele morreu, eu cruzava o oceano atlântico em um compromisso profissional. Pois é! Aos que acompanharam sua trajetória de vida, uma lembrança do que foi esse guerreiro.
segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017
Saudosismo; gentileza gera gentileza! Saudosismo; gentileza gera gentileza! Houve um tempo que era como se fôssemos irmãos. Brigávamos como irmãos, nos amávamos como irmãos; éramos irmãos! Era assim essa cidade que hoje se espalha do Pau Miúdo, passando pelo Corte Grande e se estendendo até o Jegue Morto, localidades que à época, era mato, era distante. Naquela época, as autoridades tinham autoridade, amizades valiam mais que o dinheiro e valentia era documento de honradez. Os tempos são outros os modos são outros, as relações são outras. Quem não o viveu; perdeu!
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 ... 25


Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.