Os 200 anos de Darwin

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

24 de Novembro de 1859 foi lançada a primeira edição do livro de Charles Darwin “A Origem das Espécies por Seleção Natural”. Nele, Darwin formulava a teoria — chamada darwinismo por Alfred Russel Wallace, que de modo independente também a descobrira — segundo a qual as espécies evoluem a partir de um antepassado comum por efeito da seleção exercida pelo ambiente, favorecendo reprodutivamente os indivíduos mais bem adaptados.

Os 200 anos de Darwin



Construíra esta teoria, após longa reflexão, a partir de fatos observados durante a sua viagem no “Beagle”. Grande parte da comunidade científica reconheceu desde logo os fundamentos sólidos do darwinismo, e Darwin obteve a consagração em vida.


Hoje, os que se opõem à teoria da evolução não se baseiam em fundamentos científicos, mas em preconceitos. O que mais fortifica a teoria seletiva é a sucessiva refutação de todas as teorias competidoras: mesmo os trabalhos de ilustres investigadores anti-evolucionistas (Pasteur, Von Baer, Von Uexküll, T.H. Morgan, entre outros) acabaram por lhe trazer firmes argumentos. Mas a posição do Homem na natureza sempre provocou um campo de forças deformante da realidade, propício a manipulações ideológicas e religiosas da ciência, suscitando assaltos premeditados à lógica da investigação e da interpretação dos dados. O sistema de crenças interfere então com o de provas, espalhando uma atmosfera de obscuridade. Na última página de “A Origem das Espécies...”, Darwin escrevera: “Muita luz será lançada sobre a origem do Homem e a sua história.” Esta frase foi suprimida na primeira edição alemã da obra!

Decorrido um século e meio sobre o aparecimento deste livro, o preconceito continua a guiar os que recusam a evolução. Posto que os argumentos que a comprovam lhe conferem o mesmo grau de credibilidade que à órbita heliocêntrica da Terra, só por ignorância ou má-fé é possível hoje rejeitá-la. A evolução não é mais uma simples teoria, mas um imenso programa de investigação que unifica todas as disciplinas da biologia e das ciências da natureza: geologia, tectônica de placas, paleoclimatologia, biogeografia, genética, sistemática, anatomia e fisiologia comparadas, embriologia, paleontologia, etologia, biologia molecular recebem da perspectiva evolucionista justificação mútua dos seus saberes. Estas disciplinas, que tinham crescido em separado, encontraram na teoria sintética da evolução um eixo organizador que as reuniu numa totalidade coerente. Desde Darwin, não houve em biologia nem ruptura nem crise científica, antes clarificação de uma imensa constelação de fenômenos através da mesma matriz disciplinar.

Supusera Leibniz que a manus emmendatrix (a mão providencial) de Deus resolvia os erros que surgissem na construção do mundo. Oposta é a natureza do processo evolutivo: a partir de erros de replicação genética, chamados mutações, aumenta a diversidade sobre a qual vai operar a selecção natural. O processo evolutivo joga-se em dois tempos: a recombinação genética, aleatória; e a triagem dos organismos (fenótipos) resultantes. A estes dois lances encadeados chamou Jacques Monod “o acaso e a necessidade”. Do seu resultado, obtido em interação com o meio, provêm os indivíduos, sempre diferentes, de cada espécie.

 

A biologia molecular, última das disciplinas biológicas a entrar em cena, completou a demonstração da homologia (origem a partir de um antepassado comum) de todos os seres vivos. Desde as formas mais elementares às mais complexas, todas têm um código genético nos mesmos moldes do dos vertebrados, provando a unidade da frondosa árvore dos seres viventes. A engenharia genética permitiu passar genes de uns organismos para outros, como genes humanos para bactérias, de modo a que produzam insulina humana. E os níveis de homologia de todos os mamíferos levam a que se ensaiem com eficácia os medicamentos destinados a seres humanos — incluindo os psicofármacos — em ratos e chimpanzés.

No limite, é possível obter embriões híbridos, por exemplo, humanos e não-humanos. Sendo assim, como excluir uma comum matriz de origem? Encontramo-nos inseridos na radiação da vida, sendo parentes mais ou menos próximos de todos os seres vivos. A nossa presença na biosfera é casual e recente, puro acidente decorrendo do “oportunismo insensível da evolução” de que falava Dobzhanski. O “relógio molecular”, hoje minuciosamente calibrado, mostrou que a origem do Homo sapiens ascende a cerca de 200 mil anos, tempo breve em termos de idade geológica. Por isso, a espécie humana atual mantém grande homogeneidade genética, não tendo decorrido tempo suficiente para a formação de raças humanas, conceito hoje destituído de valor operacional em ciência. Não temos o monopólio da inteligência, do uso intencional de ferramentas, nem sequer da linguagem.

O desenvolvimento embrionário provou August Weismann, repete em traços gerais a história natural dos antepassados. Assim se retêm traços e características que perderam função, mas, não sendo contra-adaptativos, persistem. É o caso da cauda, funcional em muitos primatas não-humanos e ausente nos antropóides, genética e evolutivamente muito afins conosco. Estes animais e o Homem não têm cauda livre — mas as vértebras caudais fundiram-se num órgão residual, o cóccix, onde a configuração vertebral é bem visível. Pertence à categoria dos órgãos vestigiais. Também o núcleo inato do comportamento, que evolui por seleção natural, conserva traços arcaicos: um recém-nascido humano prematuro agarra-se firmemente com mãos e pés a um fio horizontal do qual pode suspender o peso do próprio corpo, num reflexo de preensão que provém de antepassados arborícolas.

Críticos mal avisados afirmaram não ser possível presenciar a seleção natural em ação. Enganam-se. Não poderão ver o que decorre nos tempos geológicos. Mas podem testemunhar efeitos seletivos. No caso da malária, o vetor (mosquito) transporta o agente (plasmódio) ao hospedeiro (Homem). Em cada um dos três vértices deste triângulo se exerce a selecção. Os plasmódios selecionam estirpes resistentes aos novos antimaláricos descobertos; os mosquitos, estirpes imunes a renovados inseticidas; e as populações humanas, formas de hemoglobina que o plasmódio não digere e por isso protegem da doença.

Enquanto os detratores religiosos pensamento evolucionista tentam denegá-lo, voltando ao que parece inconcebível — um cenário criacionista para os seres vivos! —, no domínio das “ideologias progressistas” permanece uma nostalgia das idéias de Lamarck, de uma evolução orientada tendo o Homem por objetivo final. Num hemiciclo imaginário onde as convicções ideológicas fossem cotejadas com as idéias sobre a origem das espécies, a extrema-direita seria hoje ocupada por cristãos fundamentalistas de convicção fixista e neocriacionista, por um grupo menos radical de orientação vitalista e também por alguns evolucionistas ateus, eventualmente racistas, defendendo um determinismo genético da evolução; enquanto a chamada ala esquerda se repartiria entre evolucionistas variacionais sem crença religiosa (darwinistas) e evolucionistas transformacionais (neolamarckistas) ligados ainda ao marxismo histórico. Ideólogos e fanáticos religiosos procuram na natureza caução para os seus dogmas: por isso censuram, deformam ou manipulam a teoria da evolução. Se, nalguns países, o ensino do darwinismo fosse nivelado com o de modelos obscurantistas, então a História seria uma aventura falha, negando as idéias que lhe serviram de fundamento. E o Homo sapiens, assim denominado por Carl von Linné (que ao arrumá-lo junto com os outros antropóides já acedia à idéia implícita de evolução), antes mereceria o nome específico de Homo stupidus (espécie conjectural proposta e assim denominada por Ernst Haeckel, poucos anos após o aparecimento da origem das espécies).

Porque evoluem as formas vivas? Porque o meio ambiente está em modificação contínua — deriva continental, clima, solos, vegetação, recursos alimentares, predadores e presas, parasitas e simbiontes — e, sem evolução, a breve prazo os organismos estariam inadaptados. Assim, encontramos Darwin como a figura decisiva que divide a história da biologia em duas épocas e em duas vertentes, uma de sombra e outra de luz. Ernst Mayr, grande teórico da evolução, escreveu recentemente: “Os argumentos [contra o darwinismo] baseiam-se numa tal ignorância da biologia evolucionista que não vale sequer a pena referir os escritos que os contêm. (...) Os princípios básicos do darwinismo estão mais firmemente estabelecidos do que nunca.” Eis como a biologia se tornou numa ciência exemplar, integrada em torno de uma teoria central unificadora, capaz de dirigir e aprofundar a investigação em todas as frentes.

Darwin e as polêmicas

Mesmo sem a passagem das duas efemérides enfatizadas por datas “redondas” (a do bicentenário do seu nascimento e a passagem dos 150 anos sobre a publicação, em 1859, de “A Origem das Espécies...”), o naturalista inglês mereceria todas as homenagens pelo sismo que a sua teoria provocou em áreas como as da biologia, filosofia, antropologia, política, sociologia, física e teologia, entre outras. O darwinismo surgiu com duas idéias fundamentais. Numa dada geração, os indivíduos reproduzem-se dando origem a novos indivíduos, semelhantes mas não idênticos aos progenitores. Isto assegura a variedade da espécie. Quanto à seleção natural, ela garante que os indivíduos mais bem adaptados ao seu ambiente se reproduzam mais. “Observar o Homem como faria um naturalista em relação a outro mamífero qualquer” e “Há de fazer-se luz sobre a origem do Homem e a sua história” são duas das afirmações de Darwin que mais ressentimentos causaram. Por caminhos tortuosos, ele viu-se envolvido em violentas polêmicas, dado o evolucionismo ter suscitado questões sobre a cronologia da Terra, sobre o papel de Deus e do acaso e sobre o lugar do Homem no planeta. Filho de um médico de província que o pressionou a preparar-se para a carreira eclesiástica na Universidade de Cambridge, Darwin foi um naturalista de “partir pedra” e não um pensador de gabinete. Estudante da fauna e da flora de terras desconhecidas, observador sistemático de restos geológicos e fossilizados, da fertilização das orquídeas por insetos, da vida de seres invertebrados recolhidos nas costas do Chile, que o levou a estabelecer a taxonomia das bernacas, estudioso de vulcões em atividade, Darwin viu-se impotente para travar o ódio dos movimentos que apresentaram o evolucionismo como uma ameaça contra a ordem estabelecida.


Autor: James Dollinger
Publicação vista 2328 vezes


Existe 0 comentário para esta publicação
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
Experiências extra corpo; a ciência entra em ação!
Experiências extra corpo; a ciência entra em ação!
EU, ROBOT
EU, ROBOT
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.