Triumph Street Triple; arrojo e modernidade

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

A Triumph lança no Brasil a nova geração da naked Street Triple, agora equipada com o motor de 3 cilindros e 765 cc - o mesmo que vai equipar a categoria Moto2 do Campeonato Mundial de Motociclismo a partir de 2019. A moto chega ao nosso mercado nas versões S, de R$ 38.990, e RS, de R$ 48.990.

Triumph Street Triple; arrojo e modernidade

Nova geração da naked

chega nas versões S e R com o motor de 765 cc que vai equipar a categoria Moto2 nas pistas em 2019.

A Triumph lança no Brasil a nova geração da naked Street Triple, agora equipada com o motor de 3 cilindros e 765 cc - o mesmo que vai equipar a categoria Moto2 do Campeonato Mundial de Motociclismo a partir de 2019. A moto chega ao nosso mercado nas versões S, de R$ 38.990, e RS, de R$ 48.990.

Ambas são equipadas com o mesmo motor tricilíndrico, mas com ajustes específicos. Na S, ele rende 113 cv de potência a 11.250 rpm e 73 nm de torque. Na RS, são 123 cv a 11.700 rpm e 77 nm. Mesmo no modelo de entrada, o ganho de potência em relação à versão anterior (85 cv) foi de 33%, com ganho de 22% no torque. Já a RS é a Street Triple mais forte já feita até hoje, com incrementos de 44% na potência e de 28% no torque.

 O motor de 765 cc traz mais de 80 componentes novos na comparação com o 675 cc anterior - incluindo novo virabrequim, pistões e cilindros de maior diâmetro e curso, além de revestidos em Nikasil para redução de atrito. Segundo a Triumph, o resultado é um avanço significativo em desempenho, principalmente em baixas e médias rotações.

A nova Street Triple usa chassi de alumínio e suspensões invertidas Showa na dianteira (110 mm de curso), com monoamortecedor traseiro e ajuste da pré-carga (124 mm de curso). Os freios são a disco duplo na dianteira (310 mm) e único (220 mm) na traseira, com ABS e controle de tração comutável. As rodas são aro 17" com pneus 120/70 na frente e 180/55 atrás.

O painel de instrumentos é totalmente digital, sendo de LCD na versão S e de TFT na versão RS, este com três opções de apresentação. Além disso, somente a RS vem com mais modos de condução (apenas 2 na S), embreagem deslizante, entrada USB, luzes de posição em LED e sistema quickshifter, que dispensa o uso da embreagem nas trocas de marcha.

Com muita eletrônica embarcada, incluindo freios ABS, acelerador eletrônico (ride by wire) com modos de pilotagem, sendo dois na S (estrada e chuva) e cinco na RS (estrada, chuva, pista, esportiva e programável pelo piloto), a renovada linha Street Triple ainda traz novo sistema de comando com joystick de cinco direções no punho na versão RS, enquanto a versão S tem controles com botões no painel.


Autor: Byagn/Agpress
Publicação vista 217 vezes


Existe 0 comentário para esta publicação
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
Ferrari Portofino – o sucessor do California T
Ferrari Portofino – o sucessor do California T
Classe X; a primeira picape média da Mercedes-Benz
Classe X; a primeira picape média da Mercedes-Benz
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.