A vida nos anos 50; eu era feliz e não sabia!

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Muitos dos contratos de bairro entre o comerciante e o cliente começavam pela palavra de honra e um aperto de mão. As mãos tinham a sua importância nos anos 50. Não só porque se faziam muitas coisas com as mãos; também porque as pessoas que faziam coisas com as mãos ainda não tinham começado a ser desrespeitadas e substituídas por máquinas. Não existiam lares de terceira idade. Nem creches. Não falo desse tempo como de um tempo ideal, meia dúzia de coisas dos anos 50 necessitavam dessa introdução à modernidade que se chama igualdade dos direitos civis. Andamos um longo caminho. E agora, que perdemos tantas coisas, talvez fosse bom recuperar algumas...

A vida nos anos 50; eu era feliz e não sabia!

Não existiam lares de terceira idade. Nem creches. Não falo desse tempo como de um tempo ideal, meia dúzia de coisas dos anos 50 necessitavam dessa introdução à modernidade que se chama igualdade dos direitos civis. Andamos um longo caminho. E agora, que perdemos tantas coisas, talvez fosse bom recuperar algumas...

Pela janela entra o som do amola-tesouras, um som de gaita de boca que me recorda a infância. A cidade antiga, com mulheres que apregoam fava-rica (uma sopa que era vendida nas ruas de Lisboa) nas esquinas e vendedores do folhetim da “Rosa do Adro”, uma novela de cordel contrabandeada nas traseiras.






Recordo o desenho da cara da Rosa do Adro, esboçado a lápis. Nunca descobri o que significava isto, Rosa do Adro. Nem idade do entendimento devia ter quando estas coisas existiam. Nasci no final dos anos 50.Década prodigiosa em que as pessoas, no rescaldo de duas guerras mundiais, descobriam a torradeira e o frigorífico, o DDT e a vacina da poliomielite.

Em breve os anos 60 tomariam conta da imaginação, com a Swinging London eos Beatles, o rock e os movimentos sociais, os hippies e as drogas. Nunca mais nada seria como era nos anos 50, em que os homens eram os chefes da família, usavam bigode e gravata, guiavam o carro (as mulheres não tinham carta) e iam para o emprego todas as manhãs para sustentar o ‘lar’. Era um mundo admiravelmente ordenado segundo a convenção, bafejado pelo bem-estar e a expansão econômica, a paz e a primeira revolução tecnológica (a televisão, a batedeira, o aspirador). Os códigos de honra eram apertados e as pessoas davam a palavra. Os mais pobres compravam açúcar amarelo e sapatos a prestações e os remediados compravam a primeira aparelhagem com som estereofônico — “this is stereo sound”, dizia um homem em basso profondo no LP de demonstração. E o primeiro eletrodoméstico. Compravam e davam a palavra de honra de que pagavam a dívida.

Muitos dos contratos de bairro entre o comerciante e o cliente começavam pela palavra de honra e um aperto de mão. As mãos tinham a sua importância nos anos 50. Não só porque se faziam muitas coisas com as mãos; também porque as pessoas que faziam coisas com as mãos ainda não tinham começado a ser desrespeitadas e substituídas por máquinas.

Os homens cuidavam do jardim, manejavam pincéis e tintas, consertavam coisas elétricas, subiam ao telhado e sabiam de canalizações. As tarefas não eram delegadas, eram distribuídas. Tudo se consertava: uma vareta de guarda-chuva, um rádio fanhoso, uma mesa manca, uma fechadura romba, uma persiana encalhada. Os rapazes ajudavam os pais (e a garagem era um momento iniciativo) e as raparigas ajudavam as mães na casa e cozinha. Os sapatos levavam meias-solas e ninguém deitava nada fora, nem ricos nem pobres. Deitar fora era um sinal de má-criação e desperdício. Os novos-ricos de pele descartável ainda não tinham nascido. O dinheiro era velho ou não era. As pessoas eram bem-educadas e ensinavam os mais novos a não desrespeitar os mais velhos. Não existiam lares de terceira idade. Nem creches. Não falo desse tempo como de um tempo ideal, meia dúzia de coisas dos anos 50 necessitavam dessa introdução à modernidade que se chama igualdade dos direitos civis. Eu não queria ficar-me pelos lavores femininos nem pela prepotência do velho código do Visconde de Seabra, em que as mulheres deviam obediência como animais domésticos. Andamos um longo caminho. O problema é que destruímos e substituímos tudo o que estava para trás e algumas das coisas que destruímos precisamos delas. Sentido de honra e de decência. Respeito pela duração.

Tudo isto me veio à cabeça quando fui ver esse filme bem escrito e inteligente que é “Gran Torino”, de Clint Eastwood (e a América de Eastwood dava um livro). O filme não é sobre violência urbana nem tolerância nem racismo nem nenhum dos temas modernosos. O filme é sobre os anos 50 e o que deles sobra. Sobre um modelo de sociedade em que a pessoas eram responsáveis por si e não dependiam dos outros nem do Estado. Em que não precisavam de ser salvas e conviviam com os seus erros e fracassos sem desculpas. A vitimologia ainda não tinha sido inventada. Muito menos o reality show e a venda da dignidade. Nem os antidepressivos para curar a mania das compras ou do sexo. Do the right thing. Faz a coisa certa. Andamos um longo caminho. E agora, que perdemos tantas coisas, talvez fosse bom recuperar algumas. Respeitar mais as concretas mãos e menos o dinheiro abstrato. Deitar menos coisas fora. Consertar outras. Respeitar o planeta e a rua, deixando de usá-los como lixeira à espera que o Estado venha atrás com o aspirador. Poupar os carros. Comprar menos tecnologias que nos despersonalizam e nos tornam twittering pardais afogados em pios irrelevantes. Escrever com a mão. Ler um livro com páginas de papel. Mexer na terra. Cozinhar com tachos e com colheres de pau. E contratar a melancolia do amola-tesouras para nos afiar as navalhas. Vamos precisar delas.




Autor: C.A/Agpress
Publicação vista 747 vezes


Existe 0 comentário para esta publicação
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
O Cachorro e o Dono
O Cachorro e o Dono
Henrique é o culpado?
Henrique é o culpado?
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.