O Cabra forte do sertão descansa em paz

quarta-feira, 13 de maio de 2020

Conheci João Costa Soares, o Paulistinha, há pouco mais de dez anos e iniciamos nossa aproximação há sete, quando escrevi essa matéria. De lá para cá, nos tornamos mais que amigos; quase irmãos! Perdemos na tarde desta quarta-feira, dia 13/05/2020, esse ser singular, com o qual convivi quase uma década de boas conversas e afinidades. Como irmãos, algumas vezes o aconselhava, assim como o mais velho faz com o mais novo. Mas na grande maioria das vezes, ele, embora cronologicamente, um ano mais novo do que eu, me deu aulas de sabedoria, humanidade e, principalmente de honestidade, com ele mesmo e com os outros. Guerreiro aguerrido e valente, enfrentou com dignidade a doença que o consumiu nos últimos dois anos. Do que escrevi sobre ele há sete, acrescentaria virtudes que só quem conviveu de perto com ele, conhece. Descansa em paz amigo, guerreiro, ousado. Você já é eterno no coração de todos nós! MATÉRIA ORIGINALMENTE PRODUZIDA EM 20 DE MARÇO DE 2013. ***Cabra forte do sertão ***Ele tinha apenas 12 anos quando recebeu uma reprimenda do pai, após ter sido denunciado pela família de uma vizinha que se sentira ofendida ao saber que o menino João não se cansava de admirar as belas formas da filha que costumava banhar-se no pequeno açude da fazenda Lajinha a cerca de dez quilômetros da cidade de Monte Santo. Aborrecido com a severidade do pai, João juntou-se a um comerciante ambulante e foi tanger mulas entre a Bahia e Sergipe. Conheça uma singular história de vida.

O Cabra forte do sertão descansa em paz

Depois de vários meses atuando como tropeiro e enfrentando o desconhecido por estradas longas e empoeiradas dormindo em redes armadas sob arvores e enfrentando todo tipo de adversidade, o menino franzino de pouco mais de treze  anos foi convidado por um tio para ganhar a vida no Rio de Janeiro.

Convencido de que na então Capital Federal estaria a realização do seu sonho, João tratou de, junto com a mãe, D. Maria Alvina Soares de Sousa convencer o pai, Napoleão Bonaparte Costa Souza a lhe prover de recursos para a vigem. Foi com o forte comerciante e fazendeiro Laurentino que a família obteve os recursos para a aventura do menino-homem. “Pai, eu não nasci para trabalhar com a enxada. Meu futuro não está aqui. Eu vou mais volto para lhes oferecer uma vida melhor”, disse João Costa Soares ao se despedir e iniciar a longa viagem até o Rio de Janeiro.

A Lajinha é um povoado do município de Monte Santo a cerca de 30 km de Euclides da Cunha e um manancial de bons comerciantes. No passado, Manoel Costa Torre, bisavô de João chegou a ser um dos mais poderosos proprietários de terra da região. Teria sido doação dele para a Igreja Católica, as terras onde está erguida a Via Sacra e o alto da Santa Cruz. O avô, Rosendo Costa de Aquino, não muito afeito aos negócios, era um homem letrado. Foi buscar na História da França, o pomposo nome do filho: Napoleão Bonaparte.

É bom registrar que não é de agora que se manifesta a veia comercial dos filhos da Lajinha. Nos anos 40 migraram para São Paulo Cirilo e José Alves dos Santos, irmãos mais velhos do Zeca do Armarinho. Estabelecidos em Santo Amaro, os irmãos Alves, embora sem muita instrução, eram donos de um imenso tino comercial. Foram os pioneiros no comércio de móveis e eletrodomésticos na região Sul da capital paulista chegando a dominar o setor.

O golpe de estado de 1964 colheu o menino da Lajinha em pleno Rio de Janeiro convivendo com algumas trapalhadas do tio que o convidara a viver na cidade grande. E foi no Rio, entre os altos e baixos do tio, dormindo em vagões de trem, sendo cuidador de animais, ou seja, vivendo literalmente de bicos que João começou a receber as mais duras e importantes lições da escola da vida.

Aos dezoito anos a difícil vida lhe presenteia com a possibilidade de se desenvolver como cidadão ao ser convocado para ingressar nas Forças Armadas para ser soldado do Exercito. Reprovado em consequência da baixa estatura e sem ter para onde ir, o menino caiu nas graças do comandante que o entrevistara e foi convidado para cuidar dos animais da corporação. Habilidoso com os animais, ali permaneceu até ser convidado para cuidar de um dos canís da policia militar.

Não demorou muito e João foi mais uma vez é atraído pelo tio para recomeçar, desta feita na Baixada Santista. E é aí que a vida do laginheiro começa a tomar outro rumo. De porteiro a dono de hotel até chegar a “Rei da Noite” na cidade de Santos foi um pulo e muitas histórias. Voltou à terra natal e como prometera a Napoleão Bonaparte, levou toda a família para viver com ele em Santos. Ganhou dinheiro, embrenhou-se pela complicada vida noturna de uma cidade portuária até conhecer Sandra Pinto acrescentando Soares ao nome dela para constituir uma bela família.

Cansado da noite, João voltou às origens para viver com mais tranquilidade e gerar Joane, filha do casal e hoje braço direito dos dois na empresa que se consolida como o maior supermercado fora de redes na Bahia.

Estamos no início dos anos 90. João está de volta a Bahia onde comercializa gado, terras e , ao contrário do que muitos imaginam, já tinha uma situação financeira estável. Fizera o pé de meia na noite santista. Sandra está gravida da primeira e única filha, Joane. Para um irmão, João abrira na Rua Oliveira Brito o Mercadinho Paulista. Em 20 de março de 1991, ele e Sandra assumem o negócio. Ela no caixa e ele no Balcão.

Passados 22 anos, o Mercadinho Paulista que hoje ocupa uma área de 1200m² no Centro da Cidade de Euclides da Cunha, prepara-se para inaugurar ao lado do Centro de Abastecimento mais uma loja, desta feita  com mais de 2500m²construída e montada dentro dos mais rigorosos critérios de conforto e modernidade.

Das dificuldades de sobrevivência como tropeiro aos 12 anos de idade, da vivência humilde no Rio de Janeiro tratando animais e morando improvisadamente ao início difícil na Baixada Santista ao sucesso como “Rei da Noite” até encontrar Sandra, mudar de vida e recomeçar em Euclides da Cunha, surgiu um homem maduro, simples e singular.

Exigente com seus colaboradores age às vezes como um pai carinhoso e brincalhão e às vezes como um severo chefe de polícia. “O cliente é o dono do Mercadinho Paulista. Todos nós, incluindo eu, somos empregados do cliente e temos de atende-lo e trata-lo como ele quer”, vaticina entusiasmado.

Baixinho e extremamente ágil, realiza façanhas incríveis: Monta a cavalo, dirige por incansáveis horas, sobe em arvores, aparta cabras, carrega sacolas de clientes, remove caixas ajuda na faxina; é incansável para os 62 anos completados hoje, dia 20 de março!

Simples mas nunca simplório João tem a exata dimensão do que, do que representa no contexto onde atua. Sabe quanto vale o seu trabalho, quanto valem os seus negócios, quantos empregos gera, e não são poucos, quanto paga de impostos, e é muito; talvez o maior volume da região.

Olhar aguçado, raciocínio rápido e muita objetividade foram ferramentas que adquiriu e desenvolveu na escola da vida. Aponta erros e soluções com rapidez e naturalidade. Não se prende a coisas pequenas.

Curioso e interessado em todas as atividade desenvolvidas dentro dos seus negócios, conhece um pouco de tudo e participa de tudo. Da informática, da eletricidade, da refrigeração, da composição e conservação dos alimentos, da engenharia, da tributação, de todos os números e ações que compõem a sua atividade. Não prioriza a mais correta aplicação das palavras, mas o perfeito entendimento do seu universo pessoal e profissional.






Certo dia, enquanto ao telefone simulava um ataque de fúria com um fornecedor, ria e piscava o olho para os que estavam em volta. Ao desligar o telefone, desmanchando-se em risos afirma aos que assistiam a cena ”Esse é o meu papel. Se eu não fizer assim eles não baixam o preço e aí não posso vender mais barato para o meu cliente”, justifica-se.

Deus é o seu mantra. Todas as perspectivas estão sempre acompanhadas de um “Se Deus assim nos permitir”. Segundo ele, essa expressão o enche de energias positivas.

É generoso, porém nunca esbanjador; não tem o melhor carro. Tem o mais apropriado e seguro. Não tem as melhores moradias; tem as que lhe oferecem conforto, segurança e bem estar. No seu amplo apartamento em um condomínio de classe média alta em Salvador, foi flagrado dormindo em um colchonete no chão da sala em frente ao aparelho de TV. Questionado por um colaborador ao qual havia cedido uma das suítes da casa, respondeu rindo: “Meu amigo, sempre faço isso. É para não esquecer as minhas origens”.

João Costa Soares, um brasileiro, um nordestino, um homem simples que não quer esquecer as origens. Simples mas não simplório. Como ele mesmo gosta de bradar: “Cabra forte do Sertão”!

 

 


Autor: Celso Mathias
Publicação vista 3668 vezes


Existe 7 comentários para esta publicação
quinta-feira, 8/12/2016 por Ivan Costa Soares
Cabra forte, Cabra pai, Cabra irmão.
Parabéns Sr.João,tu é um cabra que realmente escreveu sua história! Me orgulho de ser seu irmão,seu filho e sue amigo. Como irmão;um amor interno,escondido,com proporções gigantes. Como pai;um carinho inexplicável. Como amigo;um cuidado anonimo.
sexta-feira, 19/4/2013 por José Ribeiro Bastos
Homem de Garra
E desse tipo de homem que Euclides da Cunha precisa; Trabalha, desenvolve, atualiza e prestigia a terra e ao povo euclidense, com muita garra e amor.
terça-feira, 2/4/2013 por Fernando Dumont
Fibra
Tenho visto histórias de homem de fibra desse sertão sofredor. Nem sempre, infelizmente, elas resultam em sucesso como a de João Costa. Parabéns meu caro! Brilhante, inetligente e com a simplicidade dos sábios. História boa de se ler e de contar...
sábado, 30/3/2013 por Joane
Parabéns, Celso!
Realmente UM CABRA FORTE DO SETAO, do qual me orgulho muito por ser filha. Só você mesmo Celso para contar tão bem a história de vida dele. Parabéns!
sexta-feira, 29/3/2013 por altemar moura
parabens pela materia
estao de parabens voce Celso pela reportagem e Joao pela sua historia de vida que muito nos ensina a nao desistir dos nossos sonhos. parabens e sucesso no Novo empreendimento. altemar moura
quinta-feira, 28/3/2013 por Aparecida Mendes.
UM CABRA FORTE DO SERTAO.
Uma historia de gente forte mesmo, parabens Joâo! Tambem interesante dizer, que antigamente, ser chamado de Laginheiro, era briga certa. Rsrs. Deus e o seu Mantra. Lindo isso. Sucesso!
quarta-feira, 27/3/2013 por hc-maia
Que linda biografia:Genuína,Limpa e Operosa!!
Pô.. Celso!! que linda biografia desse lajinheiro,Rei do Comércio Euclidense, sobre o qual cairia tão bem a minuta Euclidiana:-"O Sertanejo é,antes de tudo, um Forte." Então, tinha que ter alguém,como você, pra documentar esta linda Pérola Biográfica
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
Euclides da Cunha terra de ilustres
Euclides da Cunha terra de ilustres
Joaquim Matias o eterno delegado
Joaquim Matias o eterno delegado
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.