Liberty Palace; o hotel

terça-feira, 13 de março de 2012

Em Minas Gerais a tradição está arraigada nas idéias, nos costumes na farta mesa e no bem servir. Queijo com goiabada, couve refogada, tutu, pão de queijo, canjiquinha... A culinária mineira é o resultado da mistura de regiões brasileiras com a influência estrangeira. As receitas oriundas de diversas partes do país foram adaptadas e receberam um toque de mineiridade. Mas é a mineiridade que faz a simplicidade ganhar um toque de sofisticação, de refinamento em tudo que eles fazem.

Liberty Palace; o hotel


E foi dentro deste conceito que eles fizeram o Liberty Palace Hotel.

O Liberty Palace Hotel está localizado no ponto mais estratégico da capital mineira. Situado na região da Savassi, está quase ao lado de dois shopping-centers - Pátio Savassi e Quinta Avenida. Nas imediações encontram-se os escritórios das mais importantes empresas, as melhores lojas de uma enorme diversidade, bares, boates, restaurantes, além das agências dos principais bancos.

Embora Belo Horizonte ainda não seja uma capital que sofra dos problemas crônicos de trânsito que afligem os grandes centros, o Liberty tem o privilégio de estar próximo das saídas para o Pólo Industrial, para as cidades históricas, o Circuito das Águas, Triângulo Mineiro, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo, além de localizar-se a cerca de cem metros da Praça Savassi e da Avenida Nossa Senhora do Carmo. A quatrocentos metros da Praça da Liberdade, a menos de um quilometro da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, do Palácio das Artes e do Parque Municipal, a pouco mais de um quilometro da Praça Sete - centro tradicional da cidade, a doze quilômetros do Aeroporto da Pampulha e da saída para o Aeroporto de Confins.

Nascida em uma das mais tradicionais famílias de Minas Gerais, a empresária Maria José Capanema (na foto coma filha Silvana, diretora do hotel), recebeu educação esmerada e desde criança carimba o passaporte nos quatro continentes sempre somando cultura ao lazer. Dona de uma loja de antiguidades e tapetes raros, ela fez a diferença na hotelaria mineira. Foi no terreno da casa onde se criou que resolveu plantar o Liberty Palace Hotel, homenageando a palavra que vem das origens do povo mineiro que no Brasil Colonial, defendeu com a própria vida os ideais de liberdade. Não é à toa que a bandeira do estado estampa a frase em latim: “Libertas quae sera tamen”


São 94 apartamentos distribuídos em duas torres com doze andares e categorizados em Standard, Luxo, Suíte Jr, Suíte Prata e Suíte Ouro. Em todos prevalecem o bom gosto e a funcionalidade.


Na cobertura, Fitness Center, sauna e piscina indevassável com vistas para as montanhas que circundam a cidade.


Na infra-estrutura para convenções e eventos, um centro de coordenação e cinco salas com capacidade para acomodar entre quarenta a cento e cinquenta pessoas. Dois restaurantes de padrão internacional oferecem um cardápio a La carte e Buffet. No lobby, um piano bar onde a partir das dezoito horas Margarida Chevrand interpreta de maneira irrepreensível, um repertório que vai de Bach a Frank Sinatra passando por Roberto Carlos e Milton Nascimento.

Luxo e sofisticação são marcas registradas no Liberty Palace. Suas cinco estrelas e a decoração exclusiva atraem clientes que exigem requinte e qualidade.

Mas a cereja no bolo do Liberty está exatamente na qualidade dos seus profissionais. Dos cuidados da arrumadeira, da solicitude dos seus mensageiros, da amabilidade dos garçons, da habilidade dos seus manobristas da atenção dos recepcionistas, do carisma dos barman, como o Ermírio. Tudo é uma orquestra afinada regida pela batuta do mineiríssimo Celso Morandi, um maestro; um mestre!

Celso deixou o Grupo Othon quando essa rede estava no auge. Abdicou a gerenciar os 250 quartos do Belo Horizonte Othon para mergulhar de cara no Liberty Palace, um hotel com apenas 94 quartos, ainda durante a sua construção. Lá está até hoje, um gerente detalhista, severo nos cuidados e maleável nas amizades e na vida familiar. Com a mulher Luiza é, nas horas de folga, um agradável contador de causos que ri de orelha a orelha quando fala dos filhos Rafael, Renata e Rodrigo, orgulho do casal.






Já o barman Ermírio, despede-se da mulher Sílvia e dos filhos Felipe Gabriel e Maria Heloísa, dá um até logo a Sarzedo, cidade onde reside, e pontualmente às três da tarde assume o comando do Piano Bar. Quem vê a sua disposição e o sorriso nos lábios, jamais imaginará que o profissional acabou de viajar de ônibus durante duas horas para servir com aquela elegância e desvelo. O segredo, segundo ele, é simplesmente gostar do que faz. “Trabalho das quinze às vinte e duas horas e tenho uma folga semanal. Chego em casa sempre após a meia noite, mas vale a pena. Moro em um lugar tranquilo,tenho o apoio da  minha família e temos excelente qualidade de vida. Quando me aposentar, volto para  a minha querida São Felix de Minas com muitas boas histórias para contar.”

O Celso e o Ermírio são apenas dois exemplos do que faz tão especial o Liberty Palace Hotel. E nada melhor que a expressão da Divina Dama para definir o Liberty Palace: “Servir é uma arte”



Autor: Celso Mathias
Publicação vista 2103 vezes


Existe 1 comentário para esta publicação
domingo, 11/3/2012 por Suzana Athayde A. Montandon
Elogio especial
Um elogio especial a Celso Morandi e Ermírio, que dominam tão bem a essência mineira da "arte de servir" : o acolher sincero, aquele que acontece nos espaços do coração!!!
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
Buenos Aires; estive aqui!
Buenos Aires; estive aqui!
Florença: eu estive aqui
Florença: eu estive aqui
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.