Regresso à 'dolce vita'

domingo, 28 de novembro de 2010

O novo Alfa Giulietta é a proposta mais romântica no segmento dos familiares. Mas será que o romantismo basta para bater o racional VW Golf? Meio século depois do original Alfa Romeo Giulietta ter conquistado o coração dos europeus, a marca transalpina resgata um nome com peso histórico. Se todo o Romeo tem a sua Giulietta, então Shakespeare está de regresso à cultura automóvel. "Sem coração, os homens são máquinas" é o lema do Giulietta, que pretende ser o modelo mais passional do seu segmento

Regresso à 'dolce vita'



A apoiar o romantismo da tese, um design inspirado no Alfa Romeo 8C Competizione e também uma afinação precisa para oferecer "prazer de dirigir" sem sacrificar padrões de conforto tão do apreço do público europeu.

Há alguns anos, contava-se piada venenosa para a Alfa Romeo. "Há dois momentos de felicidade na vida do proprietário de um Alfa. A primeira, quando o compra, a segunda, quando o vende."

Os problemas de fiabilidade e de temperamento que afetavam alguns modelos da marca criaram um estigma para a Alfa - bonitos, mas pouco confiáveis. Na última década a marca tem sabido ultrapassar esses problemas, beneficiando do trabalho de pesquisa e desenvolvimento do grupo Fiat. O novo Giulietta estreia a nova plataforma da Fiat para o segmento médio, com uma arquitetura compacta que permite adotar uma suspensão evoluída, sem sacrificar o habitáculo e que recorre a materiais ligeiros que permitem tornar o Alfa mais leve. Quando isto é conjugado com uma série de motores modernos e eficientes, desde os Diesel de 105 cv e 170 cv, até aos motores a gasolina de 120 cv e 170 cv (o melhor e mais equilibrado da linha), ou ao topo de linha esportivo de 235cv, então o resultado é bastante positivo. O Giulietta oferece um bom feeling de pilotagem graças a uma direção informativa e a um chassis com reações previsíveis, fazendo isso sem abdicar de conforto dinâmico.

No habitáculo, o espaço não é de referência, mas ainda assim mais generoso para os passageiros do banco traseiro do que o seu claustrofóbico antecessor (o Alfa 147). A posição de dirigir é envolvente e o design interessante, mas não tão inspirado como o do Alfa 147. Em suma, com níveis de equipamento bem estruturados e preços razoáveis, o Alfa Romeo Giulietta tem condições para conquistar os românticos, mas desta vez, também os racionalistas.

 


Autor: Rui Pelejão
Publicação vista 1233 vezes


Existe 0 comentário para esta publicação
Enviar comentário


Confira na mesma editoria:
Volvo V90 T8 Plug-in Hybrid – classe sueca
Volvo V90 T8 Plug-in Hybrid – classe sueca
Novo GLE Cupê SUV da Mercedes e a versão AMG
Novo GLE Cupê SUV da Mercedes e a versão AMG
Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.